Seara Ao Vivo

2º Festival de Música Católica de Viçosa RESULTADO FINAL



A comissão organizadora do II Festival de Música agradece todos àqueles que enviaram suas músicas para a seleção no festival de música e parabenizamos os dez selecionados para etapa final que aconteceu no dia 27/02/2017, segunda-feira de carnaval, terceira noite do SEARA 2017.
Foi uma noite muito especial. Os vencedores foram:
ColocaçãoNome da Banda ou MinistérioIntérpreteNome da música
1° LugarDouglas CaporalDouglas CaporalMeu eterno amigo
2° LugarRodrigo FerreroRodrigo FerreroAbba, Pai
3° LugarMatheus LeiteMatheus LeiteGuiado pela Tua voz
Melhor IntérpreteRodrigo FerreroRodrigo FerreroAbba, Pai

"MEU ESPÍRITO EXULTA DE ALEGRIA" (Lc 1, 47)


Uma vez mais, o Diácono Luizinho veio pregar para nós com o tema, “Meu espírito exulta de alegria”, palavra que está em Lucas 1, 47 e que é a moção do Seara deste ano.


Ele usou a palavra em Lucas e transcorreu sobre a aparição e o anúncio do anjo à Nossa Senhora e o sim dela, pois mesmo a sociedade naquela época apedrejando quem era mãe fora do casamento, ela se entregou e deu seu sim definitivo, cumprindo aquilo que era desejo de Deus na vida dela.

Foto: Diácono Luizinho - RCC Nacional

Maria se fez pequena e quanto menores nós formos, maior o milagre de Deus em nossa vida; Deus desejou a virgem Maria e nos deseja e escolhe também, então que deixemos a alegria de Deus exultar em nossos corações e nos alegrar sempre Nele e voltar-se para Ele.


O pregador, conduzido pelo Espirito Santo, nos revelou que Maria é cheia de graça porque ela é cheia de Deus e que Deus só realiza grandes obras em vasos pequenos.


No fim, o diácono conduz uma oração levando todos a depender de Deus, a precisar Dele, mesmo nas dificuldades, como na carta de São Paulo está escrito, “Alegrai-vos no Senhor” (Fl 4,4).


SER DISCÍPULO COMO MARIA

“Chamados a viver intensamente os sonhos de Deus para nós”

Diácono Luizinho é um diácono permanente, casado, tem três filhos, é da Diocese de Santos – SP e fundador de uma comunidade católica de vida e aliança.

Ele começou dizendo para nós que quase sempre vivemos derrubados pelos problemas, que esses não iram cessar, porque na vida de um cristão, sempre vão existir; o meio pelo qual vamos enfrentar esses problemas e dizer que nós temos Jesus e Maria em nossas vidas; para confirmar sua fala, o pregador canta a música, “Viver para mim é Cristo” do Pe. Fábio de Melo.

 Usa a palavra que está em 1Corintios 10, 12, onde São Paulo escreve à comunidade de corinto que sofria um movimento sincrético muito forte, lutavam para largar tudo isso e São Paulo diz: “Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia”.

“Deus liberta por meio da palavra”

Em Filipenses 3, 16 está escrito, “Contudo, seja qual for o grau a que chegamos, que importa é prosseguir decididamente”, por mais que enfrentemos todos os problemas do mundo, continuemos em frente e sempre abrindo o nosso coração e deixando Deus agir.

O Diácono Luizinho partilhou sobre o ENF (Encontro Nacional de Formação), um encontro para os líderes da RCC Nacional; partilha que foi convidado a pregar a um grupão de oração no encontro, onde aconteceu vários testemunhos de conversão, pessoas voltando para a Igreja; nos dias que estava lá, o Espírito Santo suscitou no coração dele que saísse para evangelizar na rua, com garotos do tráfico e que um dele foi batizado pelo Espírito Santo.

Foto: Diácono Luizinho - RCC Nacional


Se queremos permanecer de pé, sejamos da escola de discipulado de Maria, ser discípulos de Jesus através dela, pois ela é a intercessora de todas as situações das nossas vidas; Se eu quero permanecer em Deus, precisamos recorrer à Nossa Senhora.

Em Lucas 1, 28, lemos o momento que o anjo visita Nossa Senhora para anunciar que ela era bem-aventurada entre todas as mulheres; Maria não é, não foi e nunca será qualquer pessoa, pois foi a única criatura que encontrou graça diante de Deus; Maria, como discípula, se abre ao querer de Deus e confirmando isso, o pregador canta a música, “Teus planos” do cantor católico Juninho Cassimiro.

O Convite é que confiemos em Deus, como Maria e peçamos o auxílio Dele de sermos abertos a esse querer, pois quanto mais vamos a Maria, mais seremos de Jesus, pois ela é toda de Deus e só que é todo de Deus, consegue levar a Deus.


Vai finalizando dizendo que quem se orienta aos pés da cruz não erra, como Maria, aos pés da cruz vivendo as dores junto com Jesus, sendo ela discípula das dores. Por fim Convidou para que nós disséssemos nossas dores a Jesus e peçamos a presença Dele, dizer que precisamos Dele, que pertencemos também a Maria e com auxilio dela, seremos todos discípulos de Cristo. Termina conduzindo uma oração com Maria com a música “Acaso não sabeis” da Comunidade Católica Colo de Deus e nos instigava a dizer a importância de Maria nas nossas vidas e que com ela nunca mais seremos órfãos.

"E o fogo desceu"

     No Jubileu de Ouro da Renovação Carismática Católica - RCC, Padre D’Artagnan Barcelos, nos convida a celebrarmos as inúmeras graças que o Espírito Santo derrama sobre nós. Ele nos questiona “aonde estaríamos nós se não fosse o batismo e a efusão do Espírito Santo”. Certamente, muitos não estariam vivendo este Seara 2017 se não fosse a RCC. Celebramos nesses 50 anos a alegria! A mesma que foi experimentada no retiro na Universidade de Duquesne, nos Estados Unidos em 1967.

Padre D'Artagnan, pároco em Pedra Bonita, MG. 

     Deus nos dá a graça, porém, o milagre só acontece quando permitimos que Deus tome nossas vidas, como matéria prima, dispostas a viver sob sua ação. A experiência de Pentecoste que Deus quer fazer em nossas vidas aconteceu primeiro na Virgem Maria, quando o Anjo Gabriel foi visita-la, convidando-a para ser a mãe do filho de Deus. Sem mácula, Maria, arrisca toda sua vida no projeto de Deus. A partir deste momento, Ela é a fonte que leva o Espírito de Deus aonde for. Ao visitar sua prima, Isabel, ela faz João Batista ainda no seio de sua mãe exultar de graça.

     Maria, também deseja fazer nossa vida exultar de alegria, ela deseja criar raízes profundas em nós, para que possamos vivenciar uma nova efusão do Espírito Santo. Mas, isso só acontecerá mediante a nossa abertura de coração, porque Deus não força a nossa liberdade. A escolha de ser a mãe do filho de Deus foi desejo do coração de Nossa Senhora. “Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38). A partir desse momento a glória fixou-se no rosto da jovem menina.

     O caminho para o milagre acontecer nas nossas vidas é Nossa Senhora, quando ela chega a efusão do Espírito Santo já está garantida. Por isso, necessitamos seguir o exemplo de Maria, para que possamos experimentar da glória de Deus. Para podermos receber os milagres e as transformações que Deus deseja devemos abrir os nossos corações, pois, mesmo nos mais duros Ele agirá. Nós vivemos ao sabor das nossas paixões, mas a graça de Deus nos puxa para outro lado, e isso é um incômodo, porque a nossa decisão por Deus não pode ser incompleta.

     A RCC é um movimento que não foi planejado e com 20 anos de existência já era o maior movimento da Igreja Católica. Em 50 anos, muitos corações duros já foram amolecidos e se tornaram carne novamente. O milagre de Pentecoste muda tudo, vai além das nossas forças, mesmo quando disfarçamos o amor que sentimos por Deus. O convite para viver as maravilhas do Senhor se estende até para os que já foram tocados por esse Amor; é desejo de Deus que a chama dos nossos corações seja mantida e ganhe ainda mais força. O homem velho precisa morrer para dar lugar ao homem novo, que não seja apegado às suas vontades. Receber a graça do Espírito Santo consiste em não ficar do mesmo jeito, é fazer como Nossa Senhora e entregar a Deus uma folha em branco.

     O desejo de Deus é que possamos agir no amor, não apenas pela razão. A nossa fé é da alma, é o desejo ardente  de que Ele realize sua vontade, incendiando completamente nosso ser. Dizer sim à Deus é a melhor coisa que nós podemos fazer. Fazer a vontade de quem amamos não é difícil, a dificuldade está em arcar com o preço do sim. Importa os planos e os projetos de Deus para nós. O nosso pecado é a matéria prima da graça.

     O milagre que se realiza em Pentecoste, ao qual somos convidados a viver nesse Jubileu de Ouro da RCC, consiste em ajoelharmos diante da Cruz e pedirmos perdão diante do Senhor. Dizendo: “Senhor se eu não tivesse tanto medo da Cruz e das perseguições, o Senhor já teria feito tanto, por mim e por muito mais que necessitam da sua efusão”. O pedido para a realização de um novo Pentecoste é para que possamos ir além de onde já fomos, tornando-nos homens e mulheres novos, morrendo para nossas vontades. É renascer cheios do Espírito Santo, como descreve o Papa Francisco sobre o Batismo no Espírito Santo.

     É necessário tirar as nossas máscaras, pois Deus nos vê além, da forma que realmente somos. Precisamos rezar com Maria e preparar a casa do nosso coração, porque quando o Espírito Santo vem em Pentecostes acontece conosco como ocorreu aos Apóstolos reunidos no Cenáculo com a Virgem Maria. Homens pecadores, se tornam corajosos para anunciar o Evangelho para todos os povos. Hoje, no Seara, somos mais que 12, podemos fazer muito mais. Pois, Deus usa de instrumentos limitados e pecadores para manifestar sua graça.

     Por medo temos impedido ou criado obstáculos à plenitude da graça do Espírito Santo em nossas vidas. Queremos agradar aos outros e nos tornamos morno, é preciso ter coragem para sermos na essência aquilo que Deus desejou para nós. O desejo d’Ele é que nós saíamos com um novo ardor, tendo uma vida com sentido. Há algo muito maior: a experiência do Amor de Deus por nós.

“É JESUS QUEM CARREGA AS MINHAS DORES”

 Foto: Zita Coutinho, RCC Viçosa

Nesta manhã de segunda-feira, a Zita Coutinho partilhou para nós sobre o tema, “É JESUS QUEM CARREGA AS MINHAS DORES”. É impossível dizer que não vamos sofrer, porém Deus não quer o sofrimento, fomos criados para ser felizes, contudo pela desobediência do homem, o sofrimento surgiu para ele mesmo, podendo ser observado na passagem do pecado original de Adão e Eva (Gn 1); antes da queda de Adão e das nossas do dia a dia, Deus já estava preparando o nosso socorro, um socorro trazido pela vinda de Jesus, pelo qual trouxe a salvação eterna.

Muitos sofrimentos em nossa vida surgem por causa dos nossos próprios pecados, pecados esses que nem fazemos caso; precisamos renunciar a todo momento o pecado, porque além de praticarmos eles, somos vítimas também do pecado do outro.

A nossa vida é repleta de feridas, de dores e a solução disso tudo é colocar tudo no coração de Jesus, como a palavra usada pela Zita nos fala, “Por suas chagas, fomos curados” (Is 53, 4-6).

A pregadora instiga a todos com uma pergunta, "Será que encontramos sentido no sofrimento? Sobre essa pergunta, partilha um testemunho sobre sua gravidez, as dificuldades que passou de um parto sofrido, sentindo muitas dores, com eclampsia e ficou com muito temor de perder o filho, ela nos revelou que ele foi um dos salvadores de sua vida, pois quebrou seu coração duro e a fez se voltar a Deus.
]
“Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso é leve. ” (Mt 11, 28-30)

Quando é que o peso se torna leve? Quando é que colocamos nossas dores no coração de Jesus? Muitas vezes jogamos nossos problemas nas costas dos outros, porém nós precisamos olhar para Jesus e se agarrar Nele, não é olhando para nossa cruz que vamos ser salvos, mas olhando para a cruz de Jesus e Colocando-O nos seus sofrimentos.

No caminho da cruz, Jesus passou por todo sofrimento que podemos imaginar, Ele foi humilhado e se sujeitou a tudo isso por amor, para nos dar vida; a palavra nos diz em João 15, 13 que ninguém tem mais amor que aquele que da sua vida pelos seus amigos; Deus assumiu a nossa humanidade para nos ajudar a suportar a nossa cruz.

“Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor. ” (Fl 2, 6-11)

Jesus foi vitorioso em seus sofrimentos, para que também nós sejamos vitoriosos nos nossos; quase sempre queremos a felicidade plena aqui na terra, queremos posses, dinheiro, porém a plenitude de vida só conseguiremos no céu, na eternidade.

O sofrimento nos dá a noção da nossa fragilidade, porque somos dependentes de Deus, onde a fé é dom de Deus e é ela quem nos sustenta nessas fragilidades; as vezes não entendemos a palavra, mas que peçamos o auxílio de Deus e que Ele aumente a nossa fé em meios as adversidades e sofrimentos.

A nossa irmã Zita partilhou um parágrafo do Catecismo da Igreja Católica (CIC) que diz assim, “Comovido por tanto sofrimento, Cristo não só Se deixa tocar pelos doentes, como também faz suas as misérias deles: «Tomou sobre Si as nossas enfermidades e carregou com as nossas doenças» (Mt 8, 17) (111). Ele não curou todos os doentes. As curas que fazia eram sinais da vinda do Reino de Deus. Anunciavam uma cura mais radical: a vitória sobre o pecado e sobre a morte, mediante a sua Páscoa. Na cruz, Cristo tomou sobre Si todo o peso do mal (112) e tirou «o pecado do mundo» (Jo 1, 29), do qual a doença não é mais que uma consequência. Pela sua paixão e morte na cruz. Cristo deu novo sentido ao sofrimento: desde então este pode configurar-nos com Ele e unir-nos à sua paixão redentora. ”  (CIC 1505)

A pregadora fala um pouco sobre seu filho acerca de um acidente que ele sofreu e logo ele subiu ao palco e deu seu testemunho, disse que muitos dos nossos sofrimentos são fruto de nossas próprias escolhas erradas e que Jesus nos livra desses sofrimentos.


Ela vai terminando, dizendo que o sofrimento passa, mas Deus permanece e que Ele não desiste de nós, nunca e convida a todos a clamar a Deus a cura de todas as dores e problemas que assolam a vida de cada um. 

"Meu povo está perdido por falta de conhecimento"


O Márcio Costa começa a pregação com a palavra de Oseias 4, 1 ss, que diz que os homens estão brigados com Deus e na terra de Israel todos estão emersos em violência, homicídios, etc., porque os sacerdotes não estão em comunhão com Deus e todo povo padece e se perde por falta de conhecimento, de cuidado e que se esqueceram da Lei que Ele os prescreveu.

Para conhecer Deus é preciso gastar tempo, pois conhecimento não é meramente uma informação, conhecimento é intrínseco e a nossa busca do conhecimento, na maioria das vezes, está em muitas outras coisas e nunca em Deus. O Senhor deseja que sejamos pessoas melhores, o mundo precisa de santos e alcançaremos isso pelo conhecimento de Deus, pois Ele não deixa que seu povo padeça na ignorância.

Foto: Marcio Costa - Fraternidade Pequena Via (Viçosa)

O Márcio diz que “Conversão é mudar de Senhor” e que a Igreja é um lugar de encontro com Jesus e não um lugar que te faz ser melhor, ser Igreja é viver Jesus no todo, consumidos no Espirito Santo e tomando Jesus como o Senhor da nossa vida.

É necessário esperar em Deus a exemplo de Santa Teresinha, perguntou se nós temos reconhecido amor de Deus na nossa vida e colocado Ele como sentido e não se satisfazendo com coisas passageiras.


O chamado que Deus tem para cada um de nós e que olhemos para Jesus, que larguemos tudo por Ele porque vale a pena. Jesus quer nos ver, porque Ele nos prometeu tudo, sabe e tem conhecimento das nossas dores.